O amor ao chefe: Vargas e Perón, o governo dos fortes, por Fernando Botton

  Quando a história escrevia sobre a política, o grande enfoque era dado às decisões racionais das instituições ou regimes de Estado (formação de partidos, ordenamentos legais, decisões administrativas etc.). Foi numa recente renovação desse enfoque que alguns historiadores passaram a se interessar também pela questão das emoções, dos sentimentos e dos afetos no interior [...]

Palavras-chave: ,

Gênero e Bruxas no audiovisual; reflexões acerca da representação feminina no cinema de horror, por Gabriela Larocca

  Todos nós já assistimos a filmes, lemos livros e escutamos histórias sobre bruxas más que se alimentam de criancinhas, realizam feitiços e se comprometem com alguma entidade demoníaca. Malignas e travando pactos diabólicos, as bruxas causam fascínio, tornando-se personagens privilegiadas de filmes e séries de TV. A bruxa como uma mulher má associada ao [...]

Palavras-chave: ,

“Não é assim uma Brastemp”: história, propaganda e ditadura no Brasil, por Davi Castro Neto

  “[...] o historiador é como o ogro da lenda, onde fareja carne humana sabe que ali está a sua caça” (Marc Bloch, Apologia da História).   Normalmente, a primeira imagem que vem à mente das pessoas quando se trata de História é a de um sujeito que vive em meio a livros e toda [...]

Palavras-chave: ,

Do direito a ter direitos: o papel do historiador na promoção dos Direitos Humanos, por Márcio José Pereira

“Você só dá aula ou você também trabalha?” Essa pergunta incômoda é uma recorrente na vida dos profissionais que se dedicam a lecionar no Brasil, não só de História, mas de todas as áreas. O que causa incômodo não é a pergunta propriamente dita, mas a falta de reconhecimento e o total desconhecimento do que [...]

Palavras-chave: ,

As cartilhas da Assembleia Nacional Constituinte de 1987-8 no Brasil e o ofício do historiador, por Ozias Paese Neves

    Narrativas sobre o passado têm sido propagadas com facilidade na era da informação. Temos visto um acirramento nas disputas de memórias e a construção de discursos de revisionismos ideológicos e negacionismos; negam-se, dentre outros, o holocausto, a ditadura, a violência do regime militar e da escravidão. Tais discursos são verdadeiros desafios para os [...]

Palavras-chave: ,

Um historiador num museu, por Renato Carneiro Jr

Qual seria a função de um historiador num museu? Essa foi uma das perguntas que me fiz quando resolvi aceitar o convite para dirigir o Museu Paranaense em 2011. Esta instituição é uma das mais antigas no Brasil, datando sua abertura ao público no ano de 1876, situada em Curitiba, Paraná, no sul do país. [...]

Palavras-chave: ,

Sobre a revista História: questões e debates

Há quarenta anos, um pequeno grupo de profissionais e estudantes de História decidiu criar uma associação de caráter local, a Associação Paranaense de História – APAH, reunindo professores de todos os níveis de ensino, pesquisadores e alunos universitários. Eram anos em que o governo ditatorial começava a dar seus sinais de desgaste e a sociedade, [...]

Palavras-chave: ,

Sobre o barbarismo epistemológico do passado; a propaganda nazista da Sociedade Colonial Alemã, por Naiara Krachenski

Temos assistido a partir da posse do novo governo a instalação de um regime político que constrói seu núcleo de poder ao redor da criação e divulgação de fake news. Desde propostas mirabolantes que viram chacota em tempo recorde – como defecar em dias alternados para reduzir a poluição ambiental – até a defesa de [...]

Palavras-chave: ,

Peste e intolerância religiosa: o “mal das pintas” e o massacre de Lisboa em 1506 , por Cecília Pilla

Cecília Amorim Pilla Professora de História na PUC-PR No final do século XV e início do XVI a Europa teve picos de pobreza intensa. O ano de 1481 foi marcado por um inverno glacial, neste ano o trigo, base da alimentação de pobres e ricos, subiu 500%. Depois de um frio gélido, vieram chuvas caudalosas, [...]

Palavras-chave: ,

Reflexões sobre uma escultura fraturada: a imagem de Flavio Suplicy de Lacerda

Em 2014, assistimos a um debate que poderia restar menos infrutífero do que foi; dizia respeito ao destino do busto do reitor Flávio Suplicy de Lacerda, colocado nos jardins da reitoria em 1958 e retirado em duas ocasiões: 1968 e 2014. Tanto numa data como noutra, foram estudantes que derrubaram a citada escultura, como forma [...]

Palavras-chave: