Posts com a Palavra-chave: ‘sentimentos na história’

O amor ao chefe: Vargas e Perón, o governo dos fortes, por Fernando Botton

  Quando a história escrevia sobre a política, o grande enfoque era dado às decisões racionais das instituições ou regimes de Estado (formação de partidos, ordenamentos legais, decisões administrativas etc.). Foi numa recente renovação desse enfoque que alguns historiadores passaram a se interessar também pela questão das emoções, dos sentimentos e dos afetos no interior [...]

Palavras-chave: ,

Gênero e Bruxas no audiovisual; reflexões acerca da representação feminina no cinema de horror, por Gabriela Larocca

  Todos nós já assistimos a filmes, lemos livros e escutamos histórias sobre bruxas más que se alimentam de criancinhas, realizam feitiços e se comprometem com alguma entidade demoníaca. Malignas e travando pactos diabólicos, as bruxas causam fascínio, tornando-se personagens privilegiadas de filmes e séries de TV. A bruxa como uma mulher má associada ao [...]

Palavras-chave: ,

Sobre o barbarismo epistemológico do passado; a propaganda nazista da Sociedade Colonial Alemã, por Naiara Krachenski

Temos assistido a partir da posse do novo governo a instalação de um regime político que constrói seu núcleo de poder ao redor da criação e divulgação de fake news. Desde propostas mirabolantes que viram chacota em tempo recorde – como defecar em dias alternados para reduzir a poluição ambiental – até a defesa de [...]

Palavras-chave: ,

Peste e intolerância religiosa: o “mal das pintas” e o massacre de Lisboa em 1506 , por Cecília Pilla

Cecília Amorim Pilla Professora de História na PUC-PR No final do século XV e início do XVI a Europa teve picos de pobreza intensa. O ano de 1481 foi marcado por um inverno glacial, neste ano o trigo, base da alimentação de pobres e ricos, subiu 500%. Depois de um frio gélido, vieram chuvas caudalosas, [...]

Palavras-chave: ,

Pesquisas sobre acontecimentos traumáticos

Tradicionalmente, a História, como ciência, é escrita a partir de documentos, e na maioria das vezes, documentos escritos, os quais são previamente examinados em sua autenticidade, tanto no que diz respeito ao conteúdo quanto à data e autoria. O documento é a matéria prima do historiador. Contudo, desde o surgimento dos campos de concentração na [...]

Palavras-chave: ,

Corrupção, violência e mentira desacreditam a democracia

“A mentira na política” é um artigo de Hannah Arendt, original pelo tema em si (dentre os cientistas sociais que conheço, poucos trabalham o tema da mentira, senão a partir do conceito marxista de ideologia) que procura estabelecer a diferença entre a mentira comum, fruto de nossa hipocrisia atrelada ao medo, e a mentira organizada, [...]

Palavras-chave:

Reflexões sobre o racismo e as eleições; Brasil, 2014

Nunca a campanha foi tão polarizada. Corrosivas críticas em nome da estratégia de desconstrução das candidaturas. Uso de tantas palavras chulas e agressões de lado a lado. Talvez. Um dos motivos pode ser este: as propostas dos três candidatos com maiores chances de vencer na eleição para presidente da República em 2014 eram muito semelhantes. [...]

Palavras-chave: ,

Um ano das jornadas de junho

              Há um ano, olhos cegos para o futuro saíram à rua com vinagre na mochila. A polícia olha, deixa arrastar a cidade nos pés. Apenas um pequeno desespero como se a pessoa estivesse encurralada num beco. 68? Diretas já? “Impeachment” do Collor? Parada “gay”?  Marcha para Jesus? Torcida [...]

Palavras-chave:

A loucura é sempre duas

  Em 1935, os médicos Dr. Shelley e Dr. Watson, que trabalhavam em um hospício de Nyasaland, estudaram dois tipos de delírios esquizofrênicos, o primeiro, do “tipo” europeu, o segundo do “tipo” africano. O primeiro poderia ser assim caracterizado:   Ser um homem muito rico e ter construído o hospício às suas expensas. Céu e [...]

Palavras-chave:

Sentimentos na História, por Maria Luiza Andreazza

“Quem anda em meio à multidão precisa mudar de rumo, cerrar-se os cotovelos, recuar ou avançar, às vezes até sair do caminho reto, segundo aquilo que tope”. Estas palavras de Montaigne, no Livro III dos Ensaios traduzem a complexa imbricação entre o viver social e oviver pessoal. Amiúde,estudiosos das humanidades se veem perante dilemas teórico-metodológicos [...]

Palavras-chave: